Tudo sobre a história da Gucci - Parte I

gucci-100-anos


Ano que vem a Gucci completará 100 anos e ainda hoje seu produtos são considerados objetos de desejo no mundo inteiro.

Basta lembrar do mocassim de fivela com tira verde e vermelha e a bolsa com alças de bambu que são definitivamente os maiores ícones dessa marca. Mas, quando falamos de Gucci logo vem à cabeça nomes famosos, enormes fortunas, glamour e... os baphos! Que, vamos combinar, que a gente adora saber!

Basta lembrar que em fevereiro do ano passado, a marca foi acusada de racismo, tudo por causa de uma camisola, do tipo balaclava, que remetia à caracterização de rostos pretos - blackface - usadas para desvalorizar a imagem dessa comunidade, em especial durante o século XIX.

Pressionada com a chuva de críticas, principalmente no twitter, a Gucci emitiu um pedido de desculpas e retirou a tal camisola de mau gosto do mercado, aprendendo com seu erro.

E se você ficou curiosa para saber um pouco mais sobre os principais fatos que marcaram a trajetória da marca italiana, pega sua pipoca porque a história da Gucci é babado!


Como o legado da Gucci começou?


Tudo teve início em 1921, em Florença, na capital da Toscana, em meio a uma Itália fascista. Nesse período, o país investia em políticas culturais e econômicas nacionalistas deixando claro a rivalidade com a predominante moda francesa.

E para ter sucesso e se sobressair àquele país, a Itália utilizou a autarquia - uma espécie de instrumento de proteção utilizado pelo regime para potencializar o sistema de moda nacional e para promover um estilo com o qual a nação pudesse se identificar.

E foi assim que a Gucci se estabeleceu no mercado, oferecendo malas de viagens, feitas artesanalmente por trabalhadores locais, as quais possuíam um alto grau de excelência. E para entender essa história da moda - e porque malas - precisamos voltar os olhos para seu fundador, Guccio Gucci.

Guccio veio de uma família modesta. Filho de artesão, trabalhava como ascensorista e maleiro, e era extremamente observador, ficando maravilhado com os símbolos impressos nas malas e os brasões que muitas famílias nobres mandavam imprimir em suas bagagens.

Além dessa experiência ele passou também pelo famoso Hotel Savoy, em Londres, onde exerceu a função de maitrê. Depois dessa período, em 1921 ele retorna para a Itália e com as economias que conseguiu guardar - um valor estimado em 30 mil Liras - juntou-se à sua esposa, Aida, para abrir sua primeira loja.

Mesmo simples e modesta a loja de Guccio refletia seus princípios. O fundador da Gucci, apesar de ser um trabalhador braçal (que carregava malas ou lavava pratos), vestia-se de modo impecável prezando sempre a elegância. 

Com uma boa estratégia, talento e a economia do país girando a favor, não demorou muito para que os produtos caíssem no gosto da alta sociedade e as pessoas começassem a procurar os produtos.

Em pouco tempo, a marca já tinha fãs fervorosos e as criações já circulavam na elite do país. E com todo sucesso, foi possível instalar, nos fundos da loja, seu atelier, otimizando assim a produção.

A década de 30 chegou como um divisor de águas na história da Gucci. Com a fama conquistada no boca-a-boca e toda prova social possível sendo gerada, Guccio conseguiu avançar sua marca mundialmente. Clientes de todas as partes chegavam para comprar os já famosos sapatos, luvas, bolsas e cintos Gucci.

Em 1937, a empresa foi transferida para um espaço maior, em Lungarno Guicciardini. Essa expansão visou atender um clientela ainda mais seleta e foi a partir dela que a marca enxergou um nicho muito seleto, porém altamente lucrativo: as peças para montaria.

Assim, incorporou aos seus produtos as famosas franjas, estribos, malas, baús de viagem, cintos, sapatos e luvas, tudo com um design inspirado na equitação para essa nova clientela super sofisticada e exigente.

Um ano mais tarde, Guccio decidiu que era hora de expandir ainda mais o seu nome. Abriu sua primeira grande loja na cidade de Roma, no renomado endereço da Via Condotti.


A grande alça de bambu


Assim como o fascismo facilitava o consumo de produtos nacionais dificultava a importação de matéria-prima na mesma medida. Então, numa sacada de mestre, Guccio lançou mão do famoso use que você tem. Então, 1947, a Gucci criou um modelo que se tornaria o ícone da marca: "A Bolsa Gucci com Alça de Bambu".

Foi a escassez de metal, decorrente da Segunda Guerra Mundial, que levou Guccio a se reinventar e utilizar o material para fazer a alça que o mundo viu nos braços de ícones como Grace Kelly, Audrey Hepburn e Elizabeth Taylor.

Foi a deixa que faltava para a Gucci circular em um ambiente novo e promissor: o cinema. E foi também durante essa mesma época que a marca abriu seu primeiro escritório em Nova York, passando a desenhar looks para as principais divas da sétima arte.

E foi no final dessa década que o logotipo GG (com as duas letras G entrelaçadas e uma delas invertida) passa a fazer parte das peças. Finalmente Guccio materializou o que tanto admirava em seus tempos de carregador de malas!



O adeus a Guccio Gucci


Desde 1938, quando a Gucci expandiu seu negócio para Roma, a empresa se transformou em um negócio ainda mais familiar, quando os filhos Aldo, Vasco, Ugo e Rodolfo entraram no jogo. De certa forma, o fundador da marca já preparava o legado que estaria para além da sua presença física. E foi assim que em 2 de janeiro de 1953, o mundo viu partir o empreendedor visionário Guccio Gucci.

E agora que você chegou até aqui, não deixe de acompanhar o blog para ler a segunda parte dessa capítulo da história da Moda!




CONVERSATION

8 comentários:

  1. Um museo de 3 andares para contar tudo sobre esse legado, e você com apenas um post conseguiu espressar tudo o que precisava saber sobre essa fantástica e milionária marca! Amei, amei!

    ResponderExcluir
  2. Gente, quanta coisa.
    Não sabia de nada disso e já quero saber mais. Acho que por ter tanto dinheiro em jogo, é bem comum as intrigas e assassinatos rs
    Beijos
    www.dearlytay.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo! Vamos esperar sair o filme, porque é pano pra manga! hahaha
      Bjs!

      Excluir
  3. Apesar de ouvir sempre as pessoas falarem sobre essa marca, nunca tinha pesquisado sobre sua história. Adorei conhecer mais a fundo, não sabia que a história era tão agitada, rs. ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou fascinada por essa história. Quero ler o livro now!

      Excluir
  4. Que post lindo e completo...amei!!!

    Beijos ♥

    Jéssica || Fashion Jacket
    www.fashionjacket.com.br

    ResponderExcluir

Search this blog